Resenha - A Lógica Inexplicável da Minha Vida

Título: A Lógica Inexplicável da Minha Vida
Título Original: The Inexplicable Logic of My Life
Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Páginas: 448
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva 

Sinopse: 
Salvador levava uma vida tranquila e descomplicada ao lado de seu pai adotivo gay e de Sam, sua melhor amiga. Porém, o último ano do ensino médio vem acompanhado de mudanças sobre as quais o garoto não tem nenhum controle, como ímpetos de raiva que ele não costumava sentir. Além disso, Salvador tem que lidar com a iminente morte da avó, com uma tragédia repentina que acontece na vida de Sam e com o fato de seu pai estar se reaproximando de um ex-namorado. Em meio a esse turbilhão de sentimentos, que vão do luto ao amor e da amizade à solidão, Sal passa a questionar sua própria origem e identidade, e tenta encontrar alguma lógica para a sua vida - uma tarefa que parece quase impossível.

A Trama: Salvador é um adolescente no último ano do ensino médio que leva a vida com bastante calma. Ele tem tudo o que poderia desejar: um pai adotivo carinhoso, uma melhor amiga que está sempre com ele e a avó mais amável do mundo. Porém, em poucos meses, seu mundo vai virar de ponta cabeça quando sua vó descobre uma doença terminal, seu pai se aproxima do ex-namorado e sua melhor amiga também tem que enfrentar problemas em casa. O livro não tem necessariamente uma trama cheia de eventos, é uma narrativa baseada mais em desenvolvimento de personagens do que de ação. Sei que essa característica do autor não agrada muitas pessoas, mas se você estiver aberto à essa oportunidade, o livro vale muito a pena.

Os Personagens: Um dos pontos altos desse livro para mim - assim como de outros do mesmo autor - é sempre a família do personagem principal. Sempre penso que livros de jovens adulto já tem como característica principal ter uma família disfuncional e odiosa. Porém, esse autor sempre escreve famílias tão carinhosas e compreensivas que derretem meu coração e me fazem acreditar que ainda há esperança para esse gênero de guiar pelo exemplo positivo. Por isso, o pai de Salvador é um dos meus personagens favoritos e me lembrou um pouco Atticus, do Sol É Para Todos (uma comparação que eu tinha feito no começo do livro que os próprios personagens fazem durante a narrativa).

Capa, Diagramação e EscritaSou apaixonada pela escrita do Benjamin Alire Sáenz. Ele tem a capacidade de sempre escrever com uma linguagem muito simples, muitos diálogos e em um fluxo que parece que você está dentro do pensamento do personagem principal. Por isso, ele se torna bastante íntimo e rápido de ler. Em relação à capa, eu vou ter que admitir que gosto mais da versão americana. A versão publicada aqui no Brasil é ok, mas a versão internacional combina com o outro livro dele, Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo, e eu acho que ela tinha um design mais interessante.

Concluindo: É um livro lindo que trabalha bastante as ideias de amadurecimento e luto. Além disso, ele mostra que às vezes acontecimentos da nossa vida não tem necessariamente uma lógica, mas que é possível sobreviver com apoio de quem nós amamos. Apesar de eu ter achado o livro um pouco mais comprido do que eu gostaria que ele fosse, esse é um dos meus autores favoritos e eu sinto que poderia citar todas as frases do livro em diversos momentos da minha vida. Se você tiver a chance, leia.