Resenha - Se Não Eu, Quem Vai Fazer Você Feliz?

Título: Se Não Eu, Quem Vai Fazer Você Feliz?
Autora: Graziela Gonçalves
Editora: Paralela 
Páginas: 264
Ano: 2018
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino 

Eu esperava conhecer melhor a história por trás das músicas que embalaram minha adolescência. O que não imaginava era que, junto com isso, encontraria um livro que iria transformar a minha vida.

Sinopse: Um dos maiores ícones do rock nacional, Alexandre Magno Abrão, o Chorão, conquistou o Brasil sobretudo pela sua entrega na hora de compor e cantar. Essa mesma intensidade marcou a história de amor ímpar vivida com Graziela Gonçalves, que conta neste livro como o relacionamento de quase vinte anos dos dois a transformou para sempre.
Ela conheceu o cantor antes de sua banda estourar e se tornar uma das mais populares do país. Com suas ideias e seu apoio, Grazi teve participação importante na construção do sucesso do Charlie Brown Jr. Foi a grande musa de Chorão, que escreveu inúmeras letras inspirado nela. Como companheira de Alexandre, passou com ele os melhores e os piores momentos, e o ajudou a enfrentar a dependência química, que o levou, tragicamente, à morte em 2013.
"Se não eu, quem vai fazer você feliz?" não vai tocar apenas os fãs de Chorão. Mesmo sem conhecer sua música, é impossível não se emocionar com a força desse amor que sobreviveu à fama, às crises e até à morte — e que é homenageado neste livro.

A Trama: CBJr foi uma das bandas mais presentes na minha infância e adolescência - nunca fui aquela super fã, mas assim como 99% dos adolescentes nos anos 1990 e 2000, várias de suas músicas marcaram os subnicks do meu MSN. 
Ainda lembro do choque que senti naquele 06 de março de 2013, quando cheguei na faculdade e uma colega de sala, transparente, disse: "O Chorão morreu". 
Por isso, quando vi, no ano passado, que seria lançado um livro sobre a história do Chorão e da Grazon, ele logo entrou na minha lista de desejados. Eu queria conhecer melhor a história de amor que inspirou tantas músicas que fizeram (e ainda fazem) parte da minha vida. E preciso dizer que foi mágico identificar os trechos das letras que iam se relacionando com os momentos descritos no livro - me senti em uma máquina do tempo. Mas o livro vai muito além disso - ele é uma lição de vida e perseverança.

Capa, Diagramação e EscritaA capa, em tons de vermelho, traz uma foto da Grazi e do Alê que transborda alegria. No interior, encontramos outras fotos do casal e alguns bilhetes que o Chorão tinha o hábito de deixar espalhados pela casa pra a Gra. 
A escrita é leve - apesar de tratar de alguns temas pesados -, e a leitura bastante fluída. É complicado descrever, mas a sensação é de que as palavras vão nos invadindo e nos transformando. 

ConcluindoVou começar esse tópico dizendo que esta é a resenha mais difícil que já fiz para o Fome. Normalmente, aqui, eu tento passar para vocês opiniões mais imparciais. E não consigo fazer isso com esse livro - porque ele me tocou profundamente.
Lidar com a perda de um ente querido é uma tarefa árdua, que exige muito esforço e determinação. Desistir é infinitamente mais fácil. Mas a Grazi conseguiu - ela perdeu o amor da vida dela, sofreu (afinal era inevitável), então encontrou uma razão maior para isso tudo e se reergueu.
E isso foi o que mais me marcou nessa obra. Muito mais do que uma história de amor, esse livro traz a história de uma mulher extraordinária, forte e guerreira. Uma história de superação, esperança e resiliência
Esse não é um livro apenas para quem é fã, esse é um livro para todos que precisam de um pouco mais de luz na sua vida.