Resenha - Imperfeitos


Título: Imperfeitos
Título Original: Crushed
Série: Recomeços
0.5 - Como Num Filme (2018)
1 - Em pedaços (2018)
2 - Imperfeitos (2019)
Autora: Lauren Layne
Editora: Paralela
Páginas: 280
Ano: 2019
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Americanas // Submarino

Por favor, tenham em mente que absolutamente todas as resenhas que li sobre esse livro foram muito positivas. Dito isso...

Sinopse: Será que Michael conseguirá encontrar um final feliz depois de ser rejeitado por Olivia? Uma comédia romântica surpreendente sobre como recomeços podem ser a cura para um coração partido.
Quantas vezes um mesmo coração aguenta ser despedaçado? Essa é a pergunta que atormenta Michael St. Claire, o ex-bon vivant que, após ser rejeitado por Olivia e abandonado pelo melhor amigo, deixa o glamour nova-iorquino para trás e vai trabalhar num clube de tênis numa cidadezinha no Texas. Há um motivo secreto por trás dessa escolha geográfica: é lá que se encontram seu pai biológico e seu meio-irmão, Devon, que não fazem ideia de sua existência. O que o plano de Michael não previa era conhecer Chloe, a garota mais inteligente, sarcástica e original que ele já vira. Em pouco tempo, eles se tornam grandes amigos, e quando Michael descobre que Chloe é apaixonada por Devon ele resolve que irá ajudá-la. Mas será que dois corações rejeitados conseguem, juntos, construir um recomeço? Ou irão apenas se machucar, perdidos na eterna busca por aceitação e pertencimento?

A Trama: A trama segue mais ou menos o mesmo clichê de amor e ódio que os outros livros da série. Porém, teve um detalhe - logo no início, na página 24 - que me incomodou muito. E, infelizmente (eu acho), esse detalhe estragou toda a leitura pra mim.
Chloe se descreve (e é descrita) como uma garota gordinha, o que achei bem legal - no início -, porque normalmente as protagonistas de new adult são o perfeito estereótipo da beleza.
Quando ela conhece Michael, ele descobre que ela é apaixonada pelo namorado da própria irmã. Então ele, que acabou de passar por uma situação bastante semelhante com seus dois melhores amigos - situação, essa, que terminou de maneira terrível -, resolve ajudar a garota a conquistar o cunhado. Foi aqui que o livro começou a me incomodar um pouco, mas ainda estava disposta a deixar pra lá. 
Chloe, então, diz para Michael que Devon jamais irá se interessar por ela - já que ele namora a garota com o corpo perfeito, e ela está acima do peso. 
Michael, de forma bastante surpreendente, explica para ela que o problema não é o peso, e sim o fato de que ela não está no controle de sua vida. Então, mais uma vez se mostrando um exemplo de altruísmo (alerta de ironia), ele se compromete a ajuda-la a mudar essa situação. E aí, para mim, a história desandou de vez.
Uma pausa. Vamos lembrar, aqui, que o problema dela não é o peso, ok? Ele fala isso com absolutamente todas as letras. 
"Note que eu não disse 'magra', mas 'em forma'. Saudável. Não estou falando de balança, mas disto aqui. De assumir o controle da sua vida". 
Ele leva o indicador à minha têmpora brevemente antes de deixar o braço cair. 
Voltando. Então, como Michael ajudará Chloe a ter o controle de sua vida? Ele lhe dá o "horário nobre de um personal trainer". Isso mesmo, ele será o seu personal trainer. Porque, segundo ele, para assumir o controle de sua vida, ela precisa fazer exercícios todos os dias, mudar sua alimentação e, consequentemente, emagrecer! 
A partir desse momento, não importava mais o que eu lesse, a palavra gordofóbico piscava em neon diante dos meus olhos e a leitura se tornou um tormento.

Os Personagens: Eu já tinha um certo ranço pré-estabelecido de Michael por causa de suas atitudes em relação a Ethan e Olívia, então imaginava que não seria fácil gostar do protagonista. Só não sabia que seria impossível. 
Chloe, por sua vez, tinha todas as características necessárias para ser uma boa personagem - o que, infelizmente, não rolou. Não sei explicar, mas ela simplesmente não me conquistou. 
Como casal os dois também não funcionaram, eles não tinham química e não me convenceram nem um pouco. Mas, essa é a minha opinião - e é claro que ela, provavelmente, foi muito influenciada por aquela fatídica página 24. 

Capa, Diagramação e Escrita: Aqui é a parte e que posso me redimir um pouco por estar sendo tão cruel com um livro publicado por uma de minhas editoras favoritas. A capa é bem bonita, e a lombada cria um padrão lindo ao lado dos demais livros da série - os quais, acho importante lembrar, eu adorei e são infinitamente melhores que esse desfecho.
A história é narrada alternadamente por Chloe e Michael e a escrita de Lauren Layne deve ter continuado bastante envolvente - mas nem ela foi suficiente para me prender a essas páginas.

Concluindo: Eu queria gostar desse livro, de verdade. Eu me apaxonei pelo prequel dessa sériecurti muito o primeiro livro e queria, do fundo do meu coração, ter gostado do desfecho. Infelizmente, o que aconteceu foi o extremo oposto - achei o livro extremamente gordofóbico, o que incomodou absurdamente e tornou a leitura bastante penosa. 
Porém, essa é uma opinião minha. E, como disse lá no início, não encontrei nenhuma resenha negativa para essa história - então, pode ser que talvez esse apenas não fosse o momento certo para mim.