Resenha - Através do Vazio

Título: Através do Vazio
Título Original: Across the Void
Livro Único. 
Autor: S.K. Vaughn
Editora: Suma de Letras
Páginas: 376
Ano: 2019
Saiba Mais: Skoob / Goodreads
Comprar: Amazon 

Sinopse: Em Através do Vazio, ficção científica e suspense se misturam, construindo uma trama complexa e emocionante que mantém o leitor envolvido até a última página.
É Natal de 2067. Os acordes de uma música natalina ecoam pelas ruínas de uma espaçonave que flutua pela escuridão. Lá dentro, May desperta lentamente ― a única sobrevivente de um acidente desastroso na primeira viagem tripulada a Europa, a lua de Júpiter. Sozinha no vazio do espaço, em uma nave caindo aos pedaços, May tenta desesperadamente reencontrar o caminho para a Terra. A única pessoa capaz de ajudá-la é Stephen Knox, um cientista brilhante da Nasa... e um homem que ela magoou profundamente antes de partir.
Enquanto ela batalha pela própria sobrevivência e sinais de sabotagem começam a vir à tona, a voz de Stephen parece ser a única coisa capaz de atravessar o vazio insondável do espaço e levá-la de volta para casa em segurança.

A TramaQuando May acorda de um coma induzido, ela se encontra sem memória recente, se depara com sua nave vazia e descobre que eles sofreram um acidente. Sua tripulação desapareceu e a nave parece ter danos irreparáveis. Sozinha no espaço, já que está na órbita de Europa, uma estrela de Júpiter, ela precisará encontrar uma forma de sobreviver e estabelecer conexão com o comando da Nasa na Terra, tudo isso contando apenas com a ajuda da inteligência artificial da nave, que May batizou de Eva, o nome de sua falecida mãe. O que May não esperava é que, na verdade, seu marido e cientista Stephen, seria o único com verdadeiras intenções de resgatá-la. Através do Vazio começou de forma empolgante e curiosa, mas foi perdendo o gás conforme eu adentrava mais na história, se tornando até entediante em certos momentos. Por grande parte, foi um livro parado em que parecia que nada acontecia, os acontecimentos sendo até mesmo um pouco repetitivos. Chegando no clímax, a história voltou a ter mais um pouco de força e me manteve interessada até o final, mas não foi o suficiente para me fazer gostar verdadeiramente da história. É uma história espacial mais voltada para a "realidade" do que seria trabalhar na Nasa e ser um astronauta, e isso faz com que o livro não tenha muita ação ou elementos que tornam uma ficção-científica, mais "fictícia" mesmo, emocionantes. O livro também aborda bastante o casamento de May e Stephen, que estava em crise quando ela embarcou para Europa, e o relacionamento dela com a mãe, que foi bem problemático durante vários anos.

Os PersonagensMay foi uma personagem dúbia para mim, porque eu consegui achar ela muito impressionante por ser quem é e por suas conquistas, mas também consegui ver nela uma personagem um pouco irritante e não tão interessante assim de acompanhar em alguns momentos - principalmente em alguns flashbacks que temos ao longo do livro. Stephen, apesar de ter um papel importante na história, não me impressionou tanto e não conseguiu me convencer a me importar com ele (exceto em um momento específico nos momentos finais, mais isso é porque eu detestava o outro personagem mais do que ele). Agora, minha personagem favorita com certeza foi Eva, a inteligência artificial, a melhor parte desse livro inteirinho. Eva começa como uma "máquina", mas com a ajuda de May, ela vai desenvolvendo uma certa personalidade que a torna mais "humana", e achei isso incrível. Pode ser um pouco assustador na vida real a ideia de máquinas com sentimentos humanos, mas esse foi o elemento que conseguiu salvar boa parte do livro para mim. Além de dar o apoio moral necessário que May precisava naquele momento, Eva era engraçada e me fez dar algumas risadas enquanto lia.

Capa, Diagramação e EscritaA capa é simples, mas combina bem com a história, a moça parece bastante com a May que eu imaginei. A diagramação também é simples, mas confortável para leitura. A escrita do autor não tem nada de mais, acho que se tivesse um pouco mais de personalidade, ele teria conseguido fazer todo o meio do livro ser mais interessante e empolgante, e não foi isso que aconteceu. De qualquer forma, a leitura flui, só que, como disse antes, a história fica um pouco arrastada em alguns momentos.

Concluindo
Se você gosta de histórias espaciais mais voltadas para o "real", acho que vale a pena dar uma chance, mas saiba que o livro não tem altas cenas de ação e é bem paradinho mesmo, voltado mais para os personagens. Acredito que se você curte filmes como "Gravidade", por exemplo, vai conseguir se envolver com esse livro mais do que eu.