Resenha - Glória e Ruína

Título: Gloria e Ruína
Título Original: Queen Of Ruin
Série: Grace and Fury
1- Graça e Fúria
2- Glória e Ruína

Autora: Tracy Banghart
Editora: Seguinte
Ano: 2019
Páginas: 312
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon

Não há spoilers nessa resenha, exceto em 'Sinopse"

Sinopse: Na continuação de Graça e Fúria, Serina e Nomi Tessaro vão dar início a uma revolução que vai mudar a vida de todas as mulheres de seu país. As irmãs Serina e Nomi Tessaro nunca imaginaram que acabariam em lugares tão distintos: Serina em uma ilha-prisão - Monte Ruína; Nomi no palácio de Bellaqua, como uma graça, à disposição do príncipe herdeiro do reino. Depois de sofrer uma grande traição, Nomi também é mandada para a ilha e, ao chegar lá, para sua surpresa, encontra Serina à frente de uma rebelião das prisioneiras contra os guardas.  Agora as irmãs têm um objetivo em comum: mudar o funcionamento de toda a sociedade. Além disso, elas sabem que Renzo, gêmeo de Nomi, está em perigo. Relutantes, elas se separam mais uma vez, e Nomi retorna à capital, enquanto Serina permanece em Monte Ruína para garantir que todas as mulheres encontrem um lugar seguro para viver. Só que nada sai como o planejado ― e as duas vão ter de enfrentar os seus maiores medos para mudar o país de uma vez por todas.

Trama: Depois dos eventos ocorridos no primeiro volume,  Serina precisa liderar as mulheres do Monte Ruína para a liberdade, mas isso vai ser ainda mais difícil do que o árduo caminho percorrido até então. Enquanto isso, Nomi e Malachi vão ao encontro de Renzo e Dante, com o destino de Verídia em suas mãos.

Personagens: Serina era tudo que eu aspirei que ela fosse, forte, determinada, resistente, moldada literalmente na forja do Monte Ruína. Embora eu tenha gostado de sua evolução, achei sua competência para liderança questionável - claro que houveram problemas, a personagem não passou por uma jornada fácil, mas ela parecia saber exatamente o que fazer, e mesmo que ficasse tensa e triste pelas perdas, isso de certa forma ficava em segundo plano e perdia peso. Nomi não mudou, sério. Depois de tudo que aconteceu, eu esperava um amadurecimento, mesmo que pequeno, mas ele não ocorre. Ela ainda é irresponsável, impulsiva, ouso dizer até burra e sua história só tem continuidade porque assim é o desejo da autora - nada ali faz sentido, é realista ou tem uma fluidez natural. O romance vivenciado pelas duas irmãs é um bom exemplo, enquanto um cria um vínculo sólido, gradativo e real, o outro parece acontecer de uma hora pra outra, e pra não ficarmos ofendidos, a autora inventa um impasse tão batido e expressado tão porcamente pelos personagens, que não dá para acreditar em sua veracidade. Houve ainda a oportunidade perdida de aprofundar os demais personagens, que tinham premissas muito interessantes. A autora até tenta, mas a impressão que fica é que ela na verdade não quis, e essas histórias ficaram como um plano de fundo padrão para as duas irmãs.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa segue a linha da primeira e eu gosto muito de seu efeito e ambientação. O título também me pareceu mais adequado que o original. A diagramação não mudou, simples e polida e a escrita da autora é espontânea, fácil.

Concluindo: Infelizmente eu não gostei. A trama, apesar de interessante, é mal desenvolvida,  isso colocando os dois livros em avaliação. Não é que a autora não teve tempo (há várias obras bem desenvolvidas e apressadas no final, e outras duologias feitas de forma completa, um ótimo exemplo dessa última é A Melodia Feroz). Aqui, Tracy não quis ou não imaginou um cenário integrado com personagens - mesmo que não muito cativantes - de desenvolvimento verosímil e subtramas bem feitas. Não queria dizer que sinto meu tempo e curiosidade desperdiçadas em uma história onde a ambientação é mais do que manjada, muitas das vertentes são obviamente inspiradas, se não copiadas, de outros livros (melhores), e a caracterização da maioria dos personagens é pífia. Quase tudo na série Graça e Fúria é reciclado e nem a única ideia original e promissora que a autora teve de empoderamento feminino é adequadamente difundida.