Resenha - O Ódio Que Você Semeia

Título: O Ódio Que Você Semeia
Título Original: The Hate U Give
Livro Único.
Autor: Angie Thomas
Editora: Galera Record
Páginas: 378
Ano: 2017
Saiba Mais: Skoob / Goodreads
Comprar: Amazon 

Sinopse: Uma história juvenil repleta de choques de realidade. Um livro necessário em tempos tão cruéis e extremos.
Starr aprendeu com os pais, ainda muito nova, como uma pessoa negra deve se comportar na frente de um policial.
Não faça movimentos bruscos.
Deixe sempre as mãos à mostra.
Só fale quando te perguntarem algo.
Seja obediente.
Quando ela e seu amigo, Khalil, são parados por uma viatura, tudo o que Starr espera é que Khalil também conheça essas regras. Um movimento errado, uma suposição e os tiros disparam. De repente o amigo de infância da garota está no chão, coberto de sangue. Morto.
Em luto, indignada com a injustiça tão explícita que presenciou e vivendo em duas realidades tão distintas (durante o dia, estuda numa escola cara, com colegas brancos e muito ricos - no fim da aula, volta para seu bairro, periférico e negro, um gueto dominado pelas gangues e oprimido pela polícia), Starr precisa descobrir a sua voz. Precisa decidir o que fazer com o triste poder que recebeu ao ser a única testemunha de um crime que pode ter um desfecho tão injusto como seu início.
Acima de tudo Starr precisa fazer a coisa certa.
Angie Thomas, numa narrativa muito dinâmica, divertida, mas ainda assim, direta e firme, fala de racismo de uma forma nova para jovens leitores. Este é um livro que não se pode ignorar.

A TramaO Ódio Que Você Semeia é um livro feito para denunciar a violência policial contra pessoas negras nos Estados Unidos, mas a voz de Starr deve ser ouvida pelo mundo todo. Depois de ver o amigo ser morto na sua frente por um policial, Starr passa a perceber o quanto é necessário falar e se revoltar contra isso, já que na maioria das vezes o policial - normalmente branco - sai impune. Vivendo em uma comunidade comandada por gangues, mas tentando ter uma vida normal, Starr e os irmãos estudam em uma escola particular de "gente branca", onde ela se vê dividida entre duas pessoas: a Starr de Garden Heights (onde mora) e a Starr da Williamson (sua escola). E é quando ela precisa usar sua voz para trazer justiça para Khalil, que Starr começa a perceber que precisará colidir seus dois mundos de alguma forma. Eu não consigo expressar o quanto esse livro é necessário, poderoso e empoderador. É daqueles livros que eu gostaria que todo mundo lesse, tanto para se sentir representado e encontrar sua voz, quanto para perceber o nível de desigualdade e racismo do mundo em que vivemos.

Os PersonagensStarr é uma menina de dezesseis anos preocupada apenas em se formar logo na escola, esconder seu namorado branco do pai e separar as suas duas realidades uma da outra. Ela cresce bastante ao longo do livro, supera seus medos e encontra uma causa pela qual lutar. Eu gostei dela do início ao fim, com seus erros e acertos. Os personagens secundários dão vida ao livro, são muito bem construídos e necessários para a trama. Eu me apaixonei pela família de Starr e queria proteger todos eles: Maverick, o pai, um ex-presidiário que busca todo dia fazer o melhor para sua família; Lisa, a mãe, que trabalha dobrado para cuidar da família e da sua comunidade; Seven, o irmão mais velho, que se preocupa com todo mundo e quer proteger a todos além da sua capacidade; até mesmo Sekani, o caçula, com sua fome pelos holofotes e alívio em todo tensão por sua ingenuidade. Conhecemos outros personagens importantes ao longo da história, como Kenya, tio Carlos, Chris, Maya e, lógico, Khalil, mas vou deixar vocês conhecê-los quando lerem - e vocês precisam ler esse livro!


Capa, Diagramação e EscritaA capa é perfeita para o livro, a simplicidade diz o suficiente. A diagramação é a usual da editora, a impressão também (o que, se tratando da Record, a gente sabe que não é lá essas coisas). A escrita da Angie Thomas é potente e bem articulada, a narrativa em primeira pessoa tem o tom certo e ela consegue passar muita emoção com as escolhas de palavras e frases de efeito - que funcionam, não estão ali apenas para florear o texto.

Concluindo
Nada que eu diga faria jus a essa história, mas tudo o que eu posso fazer é expressar que eu RECOMENDO MUITO que vocês leiam esse livro. É aquele tipo de YA que eu recomendo até para adultos que não gostam de YA, porque é uma leitura necessária e com o potencial de fazer a diferença na vida e na visão de muitas pessoas.