Resenha - Ruína e Ascensão

Título: Ruína e Ascensão

Título Original: Ruin and Rising
Série: Sombra e Ossos
1- Sombra e Ossos (2012)
2- Sol e Tormenta (2013)
3- Ruína e Ascensão (2014)
Autor: Leigh Bardugo
Editora: Planeta
Páginas: 336
Ano: 2014 (Edição: 2021)
Saiba Mais: Skoob / Goodreads
Comprar:
 Amazon

Sinopse: Terceiro volume da trilogia Sombra e ossos, que inspirou a série da Netflix
"Não estou arruinada. Eu sou a ruína."
Após o seu embate com o Darkling, Alina Starkov se vê encurralada no subsolo, tentando recuperar as forças para salvar Ravka das garras de seu oponente. Sob a proteção e a vigilância do Apparat, Alina atinge outro status – agora não é somente a Conjuradora do Sol, mas sim uma Santa que carrega em seus ombros a esperança de fiéis que rezam por um futuro mais brilhante. No entanto, invocar a luz nunca foi tão difícil.
Com o futuro do país em suas mãos, Alina partirá em busca do terceiro amplificador de Morozova, o mitológico pássaro de fogo, com o objetivo de derrotar o Darkling e libertar Ravka de uma vez por todas.
Eletrizante do começo ao fim, Ruína e Ascensão é a conclusão impecável da aclamada trilogia Sombra e Ossos, que inspirou a megaprodução da Netflix.

TramaO livro começou meio morno pra mim, mas a história foi crescendo mais conforme passavam os capítulos. Existe muita coisa em jogo nesse terceiro e último volume da trilogia, e acho que a autora conseguiu inserir boas cenas cheias de impacto e de ação. Porém, para mim, a história continua com um problema de ritmo. Achei interessantes algumas decisões da autora, apesar de faltar desenvolvimento em alguns aspectos (como achei nos outros dois livros) e uma explicação melhor para algumas coisas. Me pareceu que ela teve medo de seguir em frente com algumas coisas e escolheu a saída mais fácil.

Os PersonagensNão dá pra negar que os personagens tiveram, sim, um bom desenvolvimento durante os três livros. Consegui enxergar isso, principalmente, em Maly, que era bem chatinho nos primeiros livros, mas aqui dá pra entender bem as motivações dele. Eu nunca odiei o personagem como muita gente, mas gostei da autora ter desenvolvido ele melhor até aqui. Alina também mudou bastante, apesar de manter a mesma essência do início. Ela é uma protagonista ok pra mim, mas conseguiu desempenhar bem o papel até o final. Nikolai continua sendo um dos meus personagens favoritos (e quero muito ler a duologia que foca nele). O Darkling nunca mais apareceu tanto quanto no primeiro livro, mas eu nunca achei ele lá essas coisas como muitos fãs da série, mas admito que ele desempenha bem o papel de vilão, apesar de sua parte na história se encaixar na falta de melhor desenvolvimento que eu mencionei antes.

Capa, Diagramação e EscritaEu gostava das capas antigas, mas achei essas novas bem bonitas também. Apesar de trazer um design mais "simples", ela combina bem com a história (representando o pássaro de fogo e tal). A diagramação está tranquila e confortável para leitura. A escrita da Leigh Bardugo é bem gostosa e dá pra ver um desenvolvimento desde o primeiro livro. Ainda não foi perfeita nessa primeira trilogia do Grishaverso, mas dá pra notar a melhora ao longo dos livros.

Concluindo
Eu sei que muita gente odiou essa conclusão, mas eu curti bastante. Pra mim foi o melhor da trilogia, apesar dos três livros terem caminhado em uma linha quase reta pra mim, não piorando nem melhorando muito. Conseguiu me envolver do início ao fim, me deixando curiosa para ler mais histórias nesse universo. Estou curiosa para assistir a adaptação na Netflix, e se você também quer assistir, mas tem intenção de ler os livros em algum momento, recomendo que leia primeiro (a trilogia Sombra e Ossos e o primeiro livro de Six of Crows) para já estar familiarizado com o mundo.