Resenha - Devoradores de Estrelas

Título: Destruidor de Mundos 
Título Original: Project Hail Mary
Autora: Andy Weir
Editora: Suma
Páginas: 424
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon
 
Se possível abstenha-se de qualquer informação relativa a trama antes de iniciar a leitura.

Sinopse: Neste novo thriller científico de Andy Weir, autor best-seller de Perdido em Marte, um astronauta precisa encontrar sozinho um jeito de salvar a Terra da destruição.

Ryland Grace é o único sobrevivente de uma desesperada missão de emergência – se ele falhar, toda a humanidade e o planeta Terra serão destruídos. Mas no momento ele não sabe disso. Ryland não se lembra nem do próprio nome, muito menos de sua missão ou de como cumpri-la. Tudo o que ele sabe é que dormiu por muito, muito tempo. E que despertou a milhões de quilômetros de casa, com apenas dois cadáveres como companhia. Com os colegas de tripulação mortos e as memórias confusas retornando aos poucos, Ryland vai perceber a tarefa impossível que tem nas mãos. Viajando pelo espaço em sua pequena nave, cabe a ele descobrir a resposta para um enorme mistério científico – e derrotar a ameaça de extinção da nossa espécie. O tempo está acabando, e o humano mais próximo está a anos-luz de distância, então Ryland terá que fazer tudo isso sozinho. Ou será que não?

"Dois mundos em perigo, um astronauta competente (mas humano e cheio de falhas), inúmeros mistérios científicos para resolver, e toda a humanidade em risco. Qualquer fã de ficção científica das antigas (como eu) vai amar."
George R. R. Martin, autor de A guerra dos tronos

"Ler Devoradores de estrelas é como ir em uma excursão ao espaço sideral com o melhor professor de Ciências que existe – e a tarefa da sua turma é salvar o mundo. Uma das viagens mais originais, envolventes e divertidas que já fiz."
Ernest Cline, autor de Jogador nº 1

"Sempre fico impressionado com a forma como Weir escreve ficção científica de um jeito maravilhosamente acessível, sem comprometer nem a ciência nem a ficção. Um livro que posso indicar para qualquer pessoa com a certeza de que ela vai adorar."
Brandon Sanderson, autor de Mistborn



Trama: Ao acordar sozinho e sem memória nosso assustado protagonista luta para entender a situação em que se encontra; inicialmente preso a uma cama e a diversos aparelhos médicos de suporte a vida, ele se vê frustrado e irritado, com os cadáveres a sua volta, com a voz que continua a lhe cobrar um nome, com a imobilidade de seu leito cativo. Aos poucos ele descobre se chamar Ryland e assim consegue ter mais informações sobre si mesmo e sua atual situação; Agora ele precisa descobrir como pilotar uma nave espacial sozinho e como livrar a terra de um evento catastrófico. Uau, já dá um misto de excitação e nervosismo tão grande com esse enredo que eu fico até com coceira! (haha, me ignorem... eu amo muito ficção científica), mas se você chegou até aqui devia ter lido minhas "letras miúdas" lá no topo, quanto menos você souber da trama, melhor.
 
Protagonista: Ryland é um baita protagonista, é impossível não se identificar, torcer e viver tudo junto dele. É difícil ver personagens tão bem detalhados em suas emoções - acho que isso deveria ser uma premissa normal em qualquer livro, afinal somos seres intrincados compostos por diversas camadas, mas é muito comum ver personagens superficiais, mesmo em livros bons; A leitura toma um rumo tão verdadeiro que é impossível não mergulhar de cabeça no livro.

Capa, Diagramação e Escrita: A capa é ok, ela não me impressiona mas também não me desagrada, a fonte poderia ser um tiquinho maior, (mas eu sou míope e tenho enxaqueca, então sou chata), e a escrita é divina - completa, intrincada, absolutamente envolvente; É também o que comumente é encontrado em um livro de ficção científica (que normalmente se atém aos detalhes técnicos para dar embasamento a história).
 
Concluindo: Andy Weir conseguiu de novo, concluiu com mérito outro lindo trabalho de ficção científica; Leitura obrigatória para quem é fã do gênero, ouso dizer que ele é e não é um bom livro introdutório para o tema se você quiser se iniciar - para leitores casuais ou que sintam que explicações, detalhes técnicos em física, química, biologia e etc "pesam" durante a leitura deviam deixar Destruidores de Estrelas para fim da fila (mas devo dizer que será difícil gostar do gênero se você não lida bem com esse tipo de coisa - os livros podem ter uma composição técnica mais proeminente ou no mínimo adequada, o que provavelmente seria considerado exagerado para algumas pessoas, menos que isso empobreceria muito a grande parte dos enredos de ficção científica que tem sua base como o próprio nome diz, na ciência), já para os leitores experientes ou empolgados se deliciem com essa sobremesa digna de um super chef.