Resenha - Querido Evan Hansen

Título: Querido Evan Hansen
Título Original: Dear Evan Hansen
Autor: Val Emmich, Steven Levenson, Justin Paul e Benj Pasek
Editora: Seguinte
Páginas: 336
Ano: 2019
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva 


Sinopse: 
Dos criadores do premiado musical da Broadway Dear Evan Hansen, esta é uma história emocionante sobre solidão, luto, saúde mental e amizades inesperadas. Evan Hansen sempre teve muita dificuldade de fazer amigos. Para mudar isso, decide seguir as recomendações de seu psicólogo e escrever cartas encorajadoras para si mesmo, com esperança de que seu último ano na escola seja um pouco melhor. O que não esperava era que uma das cartas fosse parar nas mãos de Connor Murphy, o aluno mais encrenqueiro da turma. Quando Connor comete suicídio e sua família encontra a carta de Evan, todos começam a pensar que os dois eram melhores amigos. Sem conseguir explicar a situação, Evan acaba refém de uma grande mentira. Ao mesmo tempo, graças a essa (falsa) amizade, o garoto finalmente se aproxima de Zoe, a menina de seus sonhos, e passa a ser notado no colégio. No fundo, Evan sabe que não está fazendo a coisa certa, mas se está ajudando a família de Connor a superar a perda, que mal pode ter? Evan agora tem um propósito de vida. Até que a verdade ameaça vir à tona, e ele precisa enfrentar seu maior inimigo: ele mesmo.

A Trama:  Baseado no musical da Broadway, o livro conta a história de Evan, que não tem amigos e recebeu como tarefa de seu psicólogo a missão de escrever cartas motivacionais para si mesmo como uma forma de ajudar a enfrentar o dia. Já no começo da história, Evan escreve uma carta desiludida com a vida, que vai parar nas mãos de Connor. Essa é a mesma carta que é encontrada no bolso de Connor quando ele comete suicídio e, por conta disso, todos passam a imaginar que Evan e Connor eram, na verdade, melhores amigos. Apesar de toda a trama girar em torno de uma bola de neve de mentiras que Evan começa a falar para se encaixar e pertencer a algum lugar, os acontecimentos em relação aos sentimentos dos personagens são bem realistas e é fácil imaginar uma situação similar saindo do controle e acontecendo na vida de alguém.

Os Personagens: Venho aqui deixar bem claro meu amor infinito por Evan. O livro gira em torno da premissa de que todo mundo já se sentiu esquecido ou deixado de lado nessa vida e, por isso, pode se identificar com Evan. Apesar das mentiras que ele conta, algumas revelações sobre sua história de vida no livro deixam bem claro o motivo pelo qual ele segue em frente com a mentira. Ele se torna o tipo do personagem que eu tenho vontade de abraçar, levar pra casa e dizer que vai ficar tudo bem no final. Gostei também de podermos ver o lado do Connor no livro - coisa que não temos acesso no musical. No começo fiquei com um pouco de medo dele poder ficar um pouco raso, mas acho que os autores conseguiram dar a profundidade necessária para preencher algumas lacunas.
Além dos dois principais, preciso fazer um adendo aqui e dizer que todos os personagens desse livro tem um apelo emocional diferente e sentimentos muito latentes dentro da narrativa, o que me passou a impressão de uma história que conseguiu dar muito mais profundidade do que geralmente se encontra em jovens adulto.

Capa, Diagramação e EscritaA escrita do livro é bem simples e rápida, o que lembra um pouco do ritmo de uma peça mesmo. Na verdade, achei o ritmo bem parecido com vários livros do John Green, então recomendo para os fãs desse autor. A capa merece um destaque especial: tem gente que preferiu a capa internacional (que é, basicamente, uma árvore - elemento muito importante para a narrativa). Porém, eu achei a ilustração do Victor Martins muito fofa e no mesmo estilo dos livros dele, que eu acho que tem um público muito parecido.

Concluindo: Eu não acredito que estou fazendo isso, mas vou dar nota 44 para esse livro. Não que eu ache que há qualquer coisa de errado com ele, mas ainda acredito que o musical tenha mais impacto e precisa ser assistido. Acho que o próprio personagem do Evan tem muito mais força emocional quando interpretado ao vivo e, por vezes, acabou ficando apenas mais um personagem comum no livro. Por isso, se você gostou do livro, eu estou aqui fazendo um esforcinho a mais para te convencer a ver a produção teatral também!