Resenha - Fahrenheit 451


Título: Fahrenheit 451
Título Original: Fahrenheit 451 
Autor: Ray Bradbury
Editora: Biblioteca Azul
Páginas: 215
Ano: 2012 (originalmente em 1953)
Saiba mais: Skoob
Comprar: Americanas // Submarino 

Um clássico! 

Sinopse: 
Imagine uma época em que os livros configurem uma ameaça ao sistema, uma sociedade onde eles são proibidos. Para exterminá-los, basta chamar os bombeiros - profissionais que outrora se dedicavam à extinção de incêndios, mas que agora são os responsáveis pela manutenção da ordem, queimando publicações e impedindo que o conhecimento se dissemine como praga. Para coroar a alienação em que vive essa nova sociedade, as casas são dotadas de televisores que ocupam paredes inteiras de cômodos, e exibem "famílias" com as quais se pode dialogar, como se estas fossem de fatos reais.
Este é o cenário em que vive Guy Montag, bombeiro que atravessa séria crise ideológica. Sua esposa passa o dia entretida com seus "parentes televisivos", enquanto ele trabalha arduamente. Sua vida vazia é transformada quando ele conhece a vizinha Clarisse, uma adolescente que reflete sobre o mundo à sua volta e que o instiga a fazer o mesmo. O sumiço misterioso de Clarisse leva Montag a se rebelar contra a política estabelecida, e ele passa a esconder livros em sua própria casa. Denunciado por sua ousadia, é obrigado a mudar de tática e a buscar aliados na luta pela preservação do pensamento e da memória.
Um clássico de Ray Bradbury, "Fahrenheit 451" é não só uma crítica à repressão política mas também à superficialidade da era da imagem, sintomática do século XX e que ainda parece não esmorecer.

A Trama: Acho que todo leitor, pelo menos uma vez na vida, já ouviu algo sobre esse livro. E mais, tenho certeza que quase todo apaixonado por livros já teve ou tem ele em sua lista de metas. 
Um clássico crítico e distópico sobre livros - esse é Fahrenheit 451. A premissa parece infalível, e realmente deve ser, os mais de cinquenta anos de sucesso da obra estão aí para provar isso. Porém, para mim, não foi tão infalível assim.
Talvez eu tenha lido no momento errado, não sei... O que sei, é que apesar de o contexto geral da obra ser extraordinário, os detalhes me pareceram meio sem pé nem cabeça. E é complicado dizer isso, porque a ideia central é muito boa e a análise do todo é incrível. Porém, a leitura é bastante esquisita - não sei outra forma de definir o que senti.

Resenha - Doctor Who: 12 Doutores,12 Histórias

Título: Doctor Who: 12 Doutores, 12 Histórias 
Livro Único. 
Autor: Eoin Colfer; Neil Gaiman, Richelle Mead, Holly Black et Al.
Editora: Fantástica Rocco
Páginas: 480
Ano: 2014
Saiba mais: Skoob
Comprar: Saraiva \\  Cultura

I'm the Doctor!!!

Sinopse: Não é qualquer universo que pode receber 12 visitantes tão ilustres e acolher 12 interpretações tão radicalmente diferentes do mesmo herói. Doctor Who, o fenômeno cultural britânico que conquistou o mundo, a série de ficção científica mais antiga da televisão, conta as aventuras do Doutor, um alienígena de aparência humana que trafega livremente pelo tempo e o espaço. Fascinado pelo planeta Terra e a humanidade, o Doutor está sempre acompanhado de um terráqueo enquanto viaja na sua nave, a TARDIS, por todos os cantos do universo e da história. Para celebrar os 50 anos da série, completados em 2013, 12 dos maiores nomes da literatura fantástica da atualidade entre eles Eoin Colfer, Marcus Sedgwick, Philip Reeve, Richelle Mead, Neil Gaiman e Holly Black homenageiam o personagem com histórias inéditas na aguardada coletânea Doctor Who: 12 doutores, 12 histórias. Em 51 anos de TV, o Doutor foi interpretado por 12 atores diferentes, cada um deles uma encarnação diferente do personagem, com personalidades e trejeitos diferentes. As muitas faces do Doutor e suas jornadas infinitas ofereceram aos criadores da série a liberdade de explorar não só as galáxias e profundezas do tempo, mas também temas que vão do lírico ao terror, numa verdadeira investigação do coração e da mente do ser humano. É essa mesma liberdade de imaginação que agora vemos nas mãos de 12 dos autores de ficção mais queridos da atualidade, que foram conquistados pelas peripécias do Doutor, alguns desde que eram crianças, e que agora compartilham com os fãs dele e seus próprios leitores 12 visões muito particulares do personagem mais cativante deste lado da galáxia. Lançada pela BBC britânica em 1963 e exibida em mais de 60 países, a série Doctor Who segue arrebatando novos fãs a cada dia e inspirando autores de fantasia e ficção científica de todo o mundo. As histórias reunidas na coletânea Doctor Who: 12 doutores, 12 histórias também estão disponíveis individualmente em e-book.

A Trama: Doctor Who: 12 Histórias, 12 Doutores é um livro de contos que aborda todas as existências do Doutor até a publicação do mesmo. Para os desavisados, Doctor Who é uma série britânica clássica de ficção científica, onde um alienígena humanoide viaja em uma "nave" em formato de cabine telefônica pelo tempo e espaço (para os fãs - como eu - a explicação poderia ser mais detalhada, mas praticidade é vida). 

O Livro É Melhor? - Simplesmente Acontece

Em "O Livro É Melhor?" vamos comparar alguns livros às suas adaptações, sejam filmes ou séries de tv, e explicar um pouquinho sobre suas diferenças para, no final, escolher um vencedor!

O livro de hoje, Simplesmente Acontece, é um dos romances mais fofos que já li - e ok, é clichê também, mas fazer o que se eu gosto disso? Você pode conferir a resenha do livro aqui.


O LIVRO

  • A história é contada através da narrativa epistolar - cartas, bilhetes, e-mails -, e sou fã assumida desse estilo. Entendo que muita gente torce o nariz para ele, por deixar as coisas meio em aberto, porém é exatamente isso que me encanta.
  • O livro começa com bilhetes escritos pelos protagonistas com apenas 7 anos - e essa fase da infância deles é a coisa mais fofa da vida.
  • No livro, acompanhamos a vida de Alex e Rosie dos 7 aos 50 anos de maneira bem dinâmica e envolvente - mas confesso que não aceitei muito bem o fato de os dois levarem tanto tempo para conseguirem ficar juntos.
  • Um dos pontos altos da obra são os protagonistas, eles são incrivelmente reais  e completos - e fato de eles mudarem e amadurecerem tanto com o passar dos anos torna sua história ainda mais crível.
  • Katie é disparada minha personagem favorita, e confesso que tinha muito medo de como lidariam com ela no filme.
  • Apesar de ser um chick lit, estilo de livro conhecido por não ser muito profundo e bastante clichê, a simplicidade na história de Alex e Rosie me ganhou desde a primeira página, fazendo com que ela garantisse um lugarzinho especial entre minhas favoritas - onde, depois de tantos anos, ainda permanece.

O FILME

  • Como toda adaptação, há muitas mudanças no enredo - e esse era um de meus maiores medos. Algumas me incomodaram (confesso) e outras, na minha opinião, vieram para melhorar uma história que já era perfeita. Porém, no final, analisando o "conjunto da obra", os roteiristas fizeram um trabalho fenomenal. Já perdi a conta de quantas vezes assisti ao filme, e em todas elas acabei exatamente da mesma forma: com os olhos brilhando e um sorriso de orelha a orelha.
  • Achei de um carinho imenso com a obra original o fato de os momentos mais relevantes da trama serem marcados por cartas, bilhetes e mensagens. 
  • Meu medo ao ver Katie adaptada para o cinema se mostrou totalmente injustificado - Lily Laight representou perfeitamente a personagem.
  • Lily Collins e Sam Clafin também representaram lindamente meu casal queridinho de protagonistas. Podem não ter sido assim tão fieis quanto a aparência, mas a química entre os dois era tanta, que o resto a gente perdoa.
  • Voltando a falar sobre mudanças, uma das maiores delas está no final - e apesar de ter gostado muito da escolha da autora no livro, me vi igualmente apaixonada pela alternativa criada na adaptação.
  • Por fim, gostaria de fazer uma menção honrosa à trilha sonora - simples e deliciosa.

Resenha - Status: Em Muitos Relacionamentos Complicados

Título: Status: Em muitos relacionamentos complicados
Título Original: Available: A Memoir of Heartbreak, Hookups, Love and Brunch
Autor: Matteson Perry
Editora: Fábrica231
Páginas: 256
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino

Hilário e muito louco.

Sinopse: Tinder, Happn e dezenas de outros aplicativos de relacionamentos disponíveis no mundo virtual facilitaram, e muito, a vida de quem está a procura de um par, seja para um encontro descompromissado ou mesmo para algo mais sério. Mas diante de tantas possibilidades, quais são as chances de “dar match” na vida real? O roteirista e ator de stand up comedy Matteson Perry resolveu escrever sobre o assunto com base em suas próprias experiências. Tímido, meio nerd, sua vida amorosa nunca foi das mais bem-sucedidas. Já na casa dos 30 anos, quando sua namorada resolve deixá-lo do dia para a noite, Matt desenvolve um plano: Ficar solteiro por um ano. Conhecer várias mulheres. Ninguém sair ferido. Determinado a sair da sua zona de conforto, se divertir um pouco e se conhecer melhor, ele mergulha de cabeça no mundo da paquera e dos relacionamentos digitais e conhece 29 garotas diferentes. Mas como será que seu coração sairá dessa? Uma história divertida e ousada que mostra que as relações no mundo de hoje não são tão fáceis e acessíveis quanto parecem.

As histórias: Matteson baseou o livro em experiências reais que ele teve enquanto, logo após ser chutado, percebeu que passou a maior parte da vida pulando de um relacionamento para o outro, praticamente sem ficar solteiro.
O livro é moderno, com muitas conversas por mensagens de texto e encontros combinados em aplicativos de paquera, porém a essência da história, para mim, é baseada em Matteson descobrindo os prazeres e as desgraças de ser uma pessoa solteira na casa dos trinta anos em uma cidade grande.
Não vou dizer que todas as histórias do autor são absolutamente envolventes e hilárias, porque algumas ficam meio repetitivas, mas a maioria me deixou entretida e algumas até me fizeram rir e marcar citações e mais citações - que não posso compartilhar com vocês, porque a linguagem é bem gráfica.
Apesar de ser um livro de não-ficção, parece um livro de pequenas crônicas sobre as mulheres que passaram na vida do autor, cada uma com suas peculiaridades. Matteson não é um cara muito legal, na maior parte do livro, e apesar de tentar justificar suas ações, ele não deixa de contar alguma coisa porque é moralmente repreensível, então minha parte favorita do livro foi sua honestidade. Nem todos os encontros são bons - na verdade, a maioria é ruim -, o autor magoa algumas mulheres e é magoado também, mas em geral é um relato maravilhoso do relacionamentos nessa época moderna.

Capa, Diagramação e Imagens: Amei a parte gráfica do livro. Achei a capa muito mais bonita que a original, sem falar que combina perfeitamente com o conteúdo, e a fonte interna é cheia de pequenas diferenças para marcar mensagens de textos, listas importantes e até monólogos internos do autor.
A escrita de Matteson foi o ponto alto do livro. Definitivamente não recomendaria para os mais jovens, porque há algumas descrições sexuais e dois capítulos totalmente dedicados à experiência do autor com drogas, porém é essa honestidade sem medidas que me conquistou. Falando nisso, não é um livro para pessoas que não tem a mente aberta, já que o autor consegue ser bem cretino às vezes e honesto demais em outras ocasiões.

Concluindo: Realmente me surpreendi e me diverti mais do que esperava. Talvez nem todo mundo se identifique com o livro, porém eu adorei e fiquei feliz por ter dado uma chance às ideias loucas do autor, que me renderam boas risadas e até algumas reflexões.

Resenha - O Ceifador

Título: O Ceifador
Título Original: Scythe
Série: Scythe
1 - O Ceifador (2017)
Autor: Neal Shusterman
Editora: Seguinte
Páginas: 448
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Americanas

Absolutamente incrível.

Sinopse: Primeiro mandamento: matarás.
A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.


O Livro É Melhor? - Os 13 Porquês

Em "O Livro É Melhor?" vamos comparar alguns livros às suas adaptações, sejam filmes ou séries de tv, e explicar um pouquinho sobre suas diferenças para, no final, escolher um vencedor!

O livro de hoje é um dos meus favoritos da vida, que já ajudou diversas pessoas e voltou a estar em alta graças a série que estreou dia 31 de março na Netflix. Você pode conferir minha resenha de Os 13 Porquês aqui.


O LIVRO

  • Ao chegar da escola, Clay se depara com uma caixa de sapatos endereçada a ele, contendo 7 fitas cassete, e quando ele começa a tocar a primeira, ouve a voz de Hannah Baker, dizendo que ele é um dos 13 motivos dela ter cometido suicídio duas semanas antes.
  • Cada lado das fitas conta uma história diferente, que juntas formaram uma bola de neve que conseguiu engolir Hannah com o passar do tempo.
  • O livro é narrado em primeira pessoa pelos pontos de vista de Clay e Hannah (enquanto Clay escuta as fitas) e temos somente o lado da história dos dois, nunca descobrimos quais foram as reações de todas as outras pessoas da lista após ouvirem as fitas.
  • No livro, Clay escuta todas as fitas em uma única noite, visitando quase todas as estrelas que Hannah deixou marcadas no mapa.
  • Mesmo sendo contada de uma forma mais centrada em Clay e Hannah, a história do livro consegue mexer bastante com o leitor, tanto que é um dos meus livros favoritos desde a primeira vez que o li (em 2012).
  • Sempre vai haver muitas controvérsias sobre como essa história foi contada, mas me emociono toda vez que leio algum comentário de alguém dizendo que esse livro salvou a sua vida, então é uma leitura que sempre irei recomendar. De qualquer forma, dependendo do seu estado de espírito, espere estar em um momento mais felizinho antes de pegá-lo para ler.

A SÉRIE

  • A série tem, como eu já esperava, VÁRIAS diferenças em relação ao livro, mas todas elas funcionaram muito bem na trama, sem tirar a essência da história, apenas adicionando detalhes importantes.
  • Cada episódio é dedicado a um lado das fitas, e isso possibilitou com que os personagens que não conhecíamos muito bem nos livros, além do que a Hannah dizia sobre eles nas fitas, fossem explorados.
  • Eu gostei muito de ver as reações de todos após terem ouvido as fitas da Hannah, apesar do "mistério" que eles estavam tentando acobertar.
  • Falando em mistério, a única coisa que realmente detestei em relação a série foi terem vendido a história como um. Oi?!
  • Muitas pessoas reclamaram do Clay da série escutar as fitas aos poucos, mas achei isso bem condizente com a personalidade que deram a ele na série. Você consegue ver claramente que ele tem ansiedade, é um garoto mais retraído e antissocial, e que estava ficando perturbado toda vez que ouvia uma das fitas. Sim, ele poderia ouvir mais um pouco ao invés de ficar fazendo perguntas ao Tony, mas até essas chatices dele eu consegui enxergar perfeitamente como um reflexo da sua personalidade, não consegui entender a birra de todo mundo com ele.
  • Como o universo da série expandiu mais o elenco de personagens, queria destacar aqui a mãe da Hannah, que teve uma atuação maravilhosa da Kate Walsh (aka Addison Montgomery, alguém?) durante a série inteira, e o papel bem maior do Tony durante a trama, e ele acabou sendo um dos meus personagens favoritos.
  • A série tratou todos os temas abordados na história (bullying, assédio, machismo, estupro, suicídio) de forma bem crua e visceral, tanto que vocês já devem ter visto por toda parte (mesmo quem ainda não assistiu) que as cenas dos estupros e do suicídio foram mostradas na íntegra, com um aviso antes dos episódios começarem de que seria mostrado esse conteúdo. 
  • O que tem gerado mais discussões por aí é a cena do suicídio, alguns dizendo que "glamourizaram" esse acontecimento, e outros que foi exatamente o oposto, e eu sou da segunda opinião. A cena inteira mostra o quanto aquilo é feio e doloroso, eu consegui me sentir no lugar da Hannah (alô, empatia!) e foi horrível toda aquela sensação. Além de tudo, o momento em que a mãe dela a encontra foi uma das cenas mais desoladoras e desesperadoras que eu já vi. Então não, não acho que a série glamourizou ou romantizou o suicídio em momento algum.
  • O final já deixou em aberto o plot para uma possível segunda temporada e, ao contrário do que eu imaginei que pensaria, estou torcendo para que aconteça (a temporada), porque é outro assunto que deve ser debatido.

Resenha - Becky Bloom Ao Resgate

Título: Bekcy Boom Ao Resgate
Título Original: Shopaholic to the Rescue 
Série: Becky Bloom
1- Os Delírios de Consumo de Becky Bloom (2000)
2- Delírios de Consumo na 5ª Avenida (2001)

3- As Listas de Casamento de Becky Bloom (2004)

4- A Irmã de Becky Bloom (2006)
5- O Chá de Bebê de Becky Bloom (2008)
6- Mini Becky Boom (2011)
7- Becly Bloom em Hollywood (2015)
8- Becky Boom ao Resgate (2016)

Autora: Sophie Kinsella
Editora: Record
Páginas: 400
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Submarino // Saraiva  

Eu realmente espero que esse seja o último volume da série!

Sinopse: 
A consumista mais carismática de todos os tempos está de volta em uma missão de resgate - com muitas encrencas e confusões, claro!
Hollywood se mostrou cheia de surpresas, mas agora Becky Brandon (nascida Bloomwood), Luke e a filhinha deles, Minnie, junto com Suze, sua nova melhor amiga (só que não), Alicia, sua mãe, Jane, e a melhor amiga dela, Janice, resolveram embarcar em uma road trip até Las Vegas (em um trailer, porque a tarefa deles é muito importante, então eles precisam ficar o tempo todo juntos, para facilitar a comunicação). Isso tudo porque o pai de Becky sumiu deixando apenas um bilhete dizendo que precisava “consertar uma coisa” e reparar uma injustiça causada a um velho amigo. Jane, é claro, está histérica. Suze também não fica atrás. Ela surtou porque Tarquin, seu marido, foi junto, e agora ela acha que o Lorde de Letherby Hall corre um grande perigo, pois Bryce – o bonitão do Golden Peace, de Los Angeles – está tentando fazer uma lavagem cerebral nele para arrancar o dinheiro da família. Determinada a descobrir o paradeiro do pai, a consumista mais querida de todos os tempos apostará todas as suas fichas em um plano ousado, que poderá trazer à tona um grande mistério do passado. Mas será que essa estratégia mirabolante será capaz de salvar sua família e seus amigos quando eles mais precisam dela?

A Trama: Depois da tragédia chamada Becky Bloom em Hollywood, esse livro conseguiu me surpreender. Foi um alívio ver as coisas voltando para os eixos e Becky voltando a ser minha querida Becky Brandon (nascida Bloomwood) que tanto me conquistou e me divertiu durante esses anos.
Graham (pai de Becky) e Tarkie (marido de Suze), desapareceram. E ok, seria muito fácil chamar a polícia e esperar que eles fossem encontrados. Mas estamos falando de Becky aqui, e nada é simples quando a consumista mais sensacional do mundo está envolvida - e, por isso, essa família maluca resolve alugar um trailer e partir em uma road trip atrás dos desaparecidos. 
A trama é emocionante e vários momentos deixaram meu coração apertado - mas também é hilária, preciso dizer. A cena de Janice, logo nas primeiras páginas, escondendo seu "remedinho" da polícia, por medo de ser presa por tráfico é simplesmente a melhor!!! 

Lançamentos de Abril #3

Oi, gente! Voltei com mais alguns lançamentos desse mês, e hoje vamos ver o que o grupo Companhia das Letras, a Plataforma21 e a Galera Record estão lançando esse mês. Eu já li Fera uns meses atrás e super recomendo! Dos outros, fiquei com vontade de ler O Ceifador, Sempre Vivemos no Castelo e O Vespeiro.

Fera - Brie Spangler - Seguinte

Dylan não é como a maior parte dos garotos de quinze anos. Ele é corpulento, tem quase dois metros de altura e tantos pelos no corpo que acabou ganhando o apelido de Fera na escola. Quando ele conhece Jamie, em uma sessão de terapia em grupo para adolescentes, se apaixona quase instantaneamente. Ela é linda, engraçada, inteligente e, ao contrário de todas as pessoas de sua idade, parece não se importar nem um pouco com a aparência dele. O que Dylan não sabe de início, porém, é que Jamie também não é como a maioria das garotas de quinze anos - ela é transgênera, ou seja, se identifica com o gênero feminino, mas foi designada com o sexo masculino ao nascer. Agora Dylan vai ter que decidir entre esconder seus sentimentos por medo do que os outros podem pensar ou enfrentar seus preconceitos e seguir seu coração.

O Ceifador - Neal Shusterman - Seguinte
Primeiro mandamento: matarás.

A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.

Resenha - Quando a Bela domou a Fera

Título: Quando a Bela Domou a Fera
Série: Contos de fada
1- A Kiss At Midnight (2010 US)
1.5- Storming the Castle (2010 US)
2- Quando a Bela Domou a Fera (2017)
2.5- Winning the Wallflower (2011 US)
3- The Duke Is Mine (2011 US)
4- The Ugly Duchess (2012 US)
4.5- Seduced by a Pirate (2012)
5- Once Upon a Tower (2013)
Autor: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Páginas: 320
Ano: 2017
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino \\  Amazon

Forte concorrente á melhor romance!!!

Sinopse: Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, "Quando a Bela domou a Fera" é uma releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos. Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher. Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas. No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?

A Trama: Linnet se orgulha de ter "fisgado" o melhor partido de Londres, o Príncipe Augustos, mas quando ele a rejeita publicamente em um baile - logo após ter sido visto beijando-o em um canto escuro do salão - a reputação de Linnet definha á olhos vistos. Neste momento sua tia têm a brilhante ideia de unir a sobrinha ao único homem que não se importaria com um escândalo, infelizmente ele tem uma personalidade abominável, ao ponto de ser conhecido pelo apelido de Fera. Amei as decisões e objetivos escolhidos pela autora, ela inseriu elementos criativos o que deixou a leitura muito peculiar e divertida.

Resenha - Catalisador

Título: Catalisador

Título Original: Catalyst
Série: Insignia
1- Insígnia: A Arma Secreta (2013)
2- Insígnia: O Vórtex Negro (2014)

3- Insígnia: Catalisador (2015)
Autor: S. J. Kincaid
Editora: V & R
Páginas: 458
Saiba mais: Skoob
Comprar: Amazon // Americanas

Muito bom!!
Nota: Essa resenha não tem spoilers dos livros anteriores da série (exceto na sinopse), pode ler sem medo.

Sinopse: Tom Raines e seus amigos estão ansiosos para voltar ao Pentagonal Spire e continuar seu treinamento nas Forças Intrassolares. Ainda que este seja um momento em que as coisas não pareçam estar tão bem, Tom não se intimida e persiste em lutar.
O que começa como um ajuste de contas intrigante entre Tom e seu pai logo se transforma em uma mudança perigosa, pois há agentes suspeitos em posições de poder, bem como revelações sobre um novo controle militar. Isso significa, talvez, que Tom tenha que manter segredos inclusive de seus aliados. Em seguida, uma figura misteriosa, outro fantasma na máquina, inicia uma luta contra as corporações, mas os métodos adotados por Tom para combatê-lo são chocantes.

A Trama: Enquanto o primeiro livro é mais introdutório e cheio de ação, e o segundo foca bastante nos personagens, essa conclusão avança exatamente onde a série precisava: na trama. Logo no início tudo parece um pouco caótico e vou confessar que não sei como Tom consegue fazer as coisas e sair vivo, aquele garoto tem muita sorte e coragem.
Minha parte favorita da trama foi que a autora realmente tirou todo o tempo necessário para explicar as habilidades diferentes de algumas pessoas, as motivações deturpadas dos vilões e toda a situação política de fundo. É nesse livro que você entende que nada acontece só por acontecer, e os motivos estão muito bem explicados. Entretanto, o maior defeito que senti dessa vez foi que Catalisador foi desnecessariamente grande, umas boas 100 páginas poderiam ter sido cortadas para tornar o ritmo um pouquinho mais rápido. Em um certo ponto, Tom fica quase sozinho e eu estava implorando para aquela parte terminar logo. Porém, se você tiver paciência, será recompensado.

Playlist - Orgulho e Preconceito

Playlist é a coluna onde vamos relacionar livros com músicas que nos lembram da trama, personagens, de uma cena específica ou algum outro aspecto do livro. É uma ótima sugestão de trilha sonora para quem vai ler e também é divertido para conhecer músicas novas!




Resenha - Crenshaw

Título: Crenshaw
Título Original: Crenshaw
Livro Único.  
Autor: Katherine Applegate
Editora: Plataforma21
Páginas: 224
Ano: 2016

Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

SinopseSão tempos difíceis para Jackson e sua família. O dinheiro para o aluguel acabou. E talvez não sobre nada para as compras do mês. Mais uma vez, seus pais, sua irmã e sua cachorrinha terão de deixar o prédio onde moram para viver em uma minivan.
Mas, pior do que a falta de dinheiro e as incertezas com relação ao futuro, é a mania dos pais de Jackson de tentarem encobrir os problemas. O garoto é jovem demais para entender a situação, é o que eles pensam. Na verdade, é o que todos pensam.
Todos, exceto Crenshaw.
Crenshaw é um gato… um gato gigante e imaginário. E é ele quem vai ajudar Jackson a encarar de frente a dura realidade. No início, o menino tenta rejeitá-lo como um mero produto de sua imaginação, afinal, quem aos dez anos ainda é capaz de ter amigos imaginários? Mas a sinceridade e a sabedoria do gato começam a ecoar em sua vida.
Ninguém precisa carregar o peso do mundo sobre os ombros, Jackson menos ainda. E o sarcástico Crenshaw é o companheiro que ele realmente precisa. Alguém imaginário o suficiente para lhe dizer algumas verdades.
Com uma narrativa elegante e comovente, Katherine Applegate trata com delicadeza de temas difíceis, como a pobreza e a fome.

A TramaEu não me lembrava da sinopse do livro antes de começar a ler, então fiquei bem surpresa ao descobrir que ele trataria de muito mais que apenas um menino e seu amigo imaginário. Crenshaw, o gato preto e branco gigante, nem é a parte mais importante da história, ele está ali apenas para ajudar Jackson a passar por esse momento difícil, mesmo que o menino pense que não o quer ali. O livro fala sobre uma família às beiras da pobreza, que nos piores dias não têm nem ao menos o que comer. E como Jackson, apenas um garotinho no meio disso tudo, tenta lidar com a vontade de ser tratado como gente grande para os pais pararem de mentir que tudo vai ficar bem. As mensagens de que há sempre esperança e que uma criança precisa da sua imaginação são bem bonitas e de aquecer o coração.

Resenha - Sonho de Uma Noite de Verão

Título: Sonho de Uma Noite de Verão
Título Original: A Midsummer Night's Drean
Autor: William Shakespeare
Editora: L&PM 
Páginas: 122
Ano: 2007
Saiba mais: Skoob
Comprar: Walmart  

Preparem-se para uma resenha master tendenciosa.

Sinopse: 
Numa noite de verão, num bosque, quatro jovens enamorados encontram-se e desencontram-se: Lisandro ama Hérmia que ama Lisandro e é amada por Demétrio, que é amado por Helena; depois, Demétrio ama Helena, que ama Demétrio e é amada por Lisandro, que é amado por Hérmia. Na manhã seguinte, tudo se resolve, e há um casamento triplo, pois casam-se também o Duque de Atenas e a Rainha das amazonas. Na festa, no palácio do Duque, apresenta-se uma peça de teatro amador, escrita e encenada por trabalhadores locais. É hilariante de tão ruim a "comédia trágica", que teve ensaio naquela noite de verão, naquele bosque, habitado por fadas e duendes que têm seu Rei e sua Rainha, que disputam a guarda de um menino indiano, e por isso esta Rainha apaixona-se, naquela noite de verão, por um mortal com cabeça de burro.
Ação e movimentação, paixões e casamentos, brigas e reconciliações, equívocos e finais felizes. É um Shakespeare muito divertido e nada trágico, um "sonho" originalmente escrito para uma festa de casamento na vida real. 

A Trama: Romeu e Julieta tem todo aquele magnetismo da tragédia, do romance proibido e do amor maior que a vida e, confesso, é uma história que amo de paixão. Mas eu já falei milhões de vezes que sou fiel aos meus primeiros amores, e esse amor... Sonho de Uma Noite de Verão é uma comédia romântica levíssima e muito doida fofinhalotada de confusões absurdas que, se não te conquistarem, vão no mínimo render algumas gargalhadas. Além disso, foi meu primeiro contato com Shakespeare, quando eu devia ter 7 ou 8 anos - lógico que na versão adaptada -, então, sim, é minha obra favorita do autor.

Lançamentos de Abril #2

Continuando os lançamentos de abril. hoje iremos conferir as editoras Verus, Rocco e Valentina. Desses, quero ler Inventei Você? e Uma Tocha na Escuridão.

Inventei Você? - Francesca Zappia - Verus

Alex está no último ano do ensino médio e trava uma batalha diária para diferenciar realidade de ilusão. Armada com uma atitude implacável, sua máquina fotográfica, uma Bola 8 Mágica e sua única aliada — a irmã mais nova —, ela declara guerra contra sua esquizofrenia, determinada a permanecer sã o suficiente para entrar na faculdade.
E Alex está bem otimista com suas chances, até se deparar com Miles. Será mesmo aquele garoto de olhos azuis com quem ela compartilhou um momento marcante no passado? Mas ele não tinha sido produto da sua imaginação?
Antes que possa perceber, Alex está fazendo amigos, indo a festas, se apaixonando e experimentando todos os ritos de passagem tipicamente adolescentes. O problema é que ela não está preparada para ser normal.
Engraçado, provocativo e emocionante, com sua protagonista nada confiável, Inventei você? vai fazer os leitores virarem
as páginas alucinadamente, tentando decifrar o que é real e o que é invenção de Alex.


O segundo livro da história épica e eletrizante sobre liberdade, coragem e esperança. Ambientado em um mundo brutal inspirado na Roma Antiga, "Uma Chama Entre as Cinzas" contou a história de Laia, uma escrava lutando por sua família, e Elias, um soldado lutando pela liberdade. Agora, em "Uma Tocha Na Escuridão", ambos estão em fuga, lutando pela vida. Após os eventos da quarta Eliminatória, os soldados marciais saem à caça de Laia e Elias enquanto eles escapam de Serra e partem numa arriscada jornada pelo coração do Império. Laia está determinada a invadir Kauf, a prisão mais segura e perigosa do Império, para salvar seu irmão, cujo conhecimento do aço sérrico é a chave para o futuro dos Eruditos. E Elias está determinado a ficar ao lado dela - mesmo que isso signifique abrir mão da própria liberdade. Mas forças sombrias, tanto humanas quanto sobrenaturais, estão trabalhando contra eles. Elias e Laia terão de lutar a cada passo do caminho se quiserem derrotar seus inimigos: o sanguinário imperador Marcus, a cruel comandante, o sádico diretor de Kauf e, o mais doloroso de todos, Helene - a ex-melhor amiga de Elias e nova Águia de Sangue do Império. A missão de Helene é terrível, porém clara: encontrar o traidor Elias Veturius e a escrava erudita que o ajudou a escapar... e acabar com os dois. Mas como matar alguém que você ama desesperadamente?

Resenha - HQ Orgulho e Preconceito

Título: Orgulho e Preconceito
Autor: Jane Austen
Editora: Nemo
Páginas: 144
Ano: 2016
Saiba mais: Skoob
Comprar: Cultura \\  Amazon

Perfeição...!

Sinopse: Elizabeth e suas quatro irmãs estão impossibilitadas de herdar a propriedade de seu velho pai e enfrentam a ameaça do despejo. As irmãs devem garantir sua segurança financeira por meio do casamento, mas nossa heroína tem outros planos. Ela fez votos de se casar somente por amor. Seu olhar acaba capturado pelo distinto Sr. Darcy, mas quem irá salvar os Bennets? Elizabeth deve se casar por amor ou deve salvar sua família? Uma adaptação fiel e primorosa do clássico romance de Jane Austen para os quadrinhos.

A Trama: A família Bennet só gerou filhas, por isso as meninas estão impossibilitadas de herdar os bens da família quando seu amado pai vier a falecer. Em razão disso, entre outras coisas, a matriarca da família tem como hobbie a localização e desenvolvimento de maridos adequados - o que pode não ser tão confortável para as Srtas Bennet. Imagino que a maioria das pessoas já conheça essa obra de arte de Jane Austen!

Pilha de Leitura da Tay #29

Oi, gente! Alguém tinha esperanças de me ver de volta aqui? Demorei séculos para decidir concluir essa pilha e nem consegui ler tudo o que planejei. Fazer o quê?!

A Última Pilha: 



Começando com os livros físicos, Diário de Uma Escrava foi uma decepção, esperava bem mais da história e não gostei de como a autora concluiu tudo. Eleanor & Park foi uma fofura, adorei conhecer esses dois e quero ler logo outro romance da Rainbow. A Menina Que Não Acredita em Milagres poderia ter sido melhor e mais emocionante, mas conseguiu me entreter enquanto eu lia.


Dos e-books, li Três Coisas Sobre Você, outro livro que eu esperava mais, mas foi uma boa leitura. Arlequim foi instigante e misterioso, embora tenha deixado a desejar em alguns aspectos. Universos Afins foi um conto bem fofo da Rainbow Rowell. Matéria Escura é um thriller misturado com ficção-científica que consegue mexer com nossa cabeça e é um livro incrível. Por último, reli Os 13 Porquês pela 5ª vez por causa da estreia da série e amei como sempre, esse é daqueles livros que já são super especiais para mim.
O Pior da Pilha: Diário de Uma Escrava foi bem decepcionante mesmo.
O Melhor da Pilha: Já que Os 13 Porquês foi releitura, deixo o posto para Matéria Escura, que foi maravilhoso!

Do Livro Pra Panela - Bolo de Baunilha com Glacê do Mesmo Sabor

Sabe quando você está lendo um livro e, de repente, o personagem aparece comendo algum prato tão sensacional que te dá água na boca? Em Do Livro pra Panela vamos trazer receitas - rápidas e fáceis, daquelas que qualquer um consegue fazer - inspiradas nesses momentos.

Tudo e Todas as Coisas é um livro absurdamente fofo! É daqueles romances bobinhos, de leitura assustadoramente rápida e que te deixam com uma sensação de leveza incontrolável ao terminar a última frase. E, para completar, ainda virou filme e já tem estreia confirmada para maio!!! Se você ainda não conhece a história, leia a resenha aqui e não perca mais tempo!


A vida de Maddy é rodeada de branco, e seu tradicional bolo de aniversário não poderia ser diferente: Bolo de Baunilha com Glacê do Mesmo Sabor - bem simples e sem recheio algum, afinal, a protagonista e sua mãe amam o bolo em si. E como não amar, né? É baunilha gente... Tudo e todas as coisas que contém baunilha são dignas de amor (perdão, não me controlei com o trocadilho, haha). 



Resenha - A Menina Que Não Acredita Em Milagres

Título: A Menina Que Não Acredita Em Milagres
Título Original: The Probability of Miracles
Livro Único.  
Autor: Wendy Wunder
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Ano: 2017

Saiba Mais: Skoob
Comprar: Amazon // Saraiva // Submarino

SinopseCampbell tem 17 anos. Ela não acredita em Deus. Muito menos em milagres. Cam sabe que tem pouco tempo de vida, por isso quer viver intensamente e fazer tudo o que nunca fez, no tempo que lhe resta. Mas a mãe de Cam não aceita o fato de perder a filha, assim, ela a convence a fazer uma viagem com ela e a irmã para Promise, um lugar conhecido por seus acontecimentos miraculosos. Em Promise, Cam se depara com eventos inacreditáveis, e, também, com o primeiro amor. Lá encontra, finalmente, o que estava procurando mesmo sem saber. Será que ela mudará de ideia em relação à probabilidade de milagres? “A Menina que não Acredita em Milagres” vai fazer você rir, chorar e repensar sua conduta de vida.

A TramaCampbell tem câncer e ele já está em um estágio que não a permite ter esperanças. Mas sua mãe não desistirá assim tão fácil, então ela junta Cam e Perry (sua filha mais nova) em um trailer para um road trip de Orlando até Promise, no Maine, uma cidade com fama de ser milagrosa. A sinopse dá a entender que o livro é mais religioso do que ele realmente é (aliás, a única manifestação de religião aqui é a avó de Cam ser católica), só queria deixar isso claro para ninguém ir ler esperando algo que não vai ter. Vários dos acontecimentos são bem apressados e algumas outras coisas têm uma explicação bem rasa que me deixou confusa em alguns momentos, além de eu não ter conseguido me conectar de verdade com os personagens. Câncer é um assunto delicado de se tratar, mas eu não consegui me sentir muito ligada emocionalmente com o que estava acontecendo, mas confesso que derramei uma lágrima ou duas no final.