Resenha - Crescendo

Resenha feita pela Beatriz!  
Título: Crescendo
Título Original: Crescendo
Série: Hush, Hush
1- Sussurro (2010)
2- Crescendo
3- Silêncio (2012)
4- Finale (2013)
Autora: Becca Fitzpatrick
Editora: Intrínseca
Páginas: 288
Ano: 2011
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Saraiva // Extra

Muito drama e pouca trama.
Fiquem tranquilos, NÃO contém spoilers de Sussurro.

Sinopse: Nora deveria saber que sua vida estava longe de ser perfeita. Apesar de começar uma relação com seu anjo da guarda, Patch (quem, título à parte, pode ser descrito como qualquer coisa, menos angelical), e sobreviver a um atentado a sua vida, as coisas não parecem melhorar. Patch está começando a se afastar e Nora não consegue descobrir se é para o seu próprio bem ou se o seu interesse voltou-se para sua arqui-inimiga, Marcie Millar. Sem contar que Nora é assombrada por imagens de seu pai e ela fica obcecada querendo descobrir o que realmente aconteceu com ele naquela noite em que ele partiu para Portland e nunca voltou para casa. Quanto mais Nora se aprofunda no mistério da morte de seu pai, mais ela começa a se perguntar se sua ascendência nefilim tem algo a ver com isso, assim como o porquê de ela estar em perigo com mais frequência do que as garotas normais.

A Trama: Em poucas palavras: o livro deixou a desejar. Diferente da empolgante e conquistadora história de Sussurro, Crescendo foi parado e um tanto insosso para mim. Tudo parecia estável para Nora, até que ela acaba fazendo algo que há poucos dias mal passava por seus pensamentos. Quando parece que nada pode piorar, surgem mais alguns mistérios e até os conceitos e certezas que ela sempre teve são postos em jogo. Além disso, as verdades que Nora mais temia são confirmadas, incluindo um segredo obscuro sobre sua descendência "tão privilegiada" e sobre Patch, cujo passado, por mais que  ela investigue, sente que nunca conhecerá totalmente.
Crescendo perdeu o ritmo rápido e emocionante que o final de Sussurro prometeu. A maior parte do livro se resume à Nora pensando em como Patch está distante... O lado bom é que esse monólogo foi quebrado várias vezes durante a narrativa para dar lugar a algumas cenas de ação. Apesar de tudo, vale a pena sim continuar a série, só é preciso ter mais paciência com esse volume.

A Protagonista: Nora perdeu um pouco da atitude que me fez gostar dela. Um exemplo disso foi ela ter se tornado a mocinha sempre em apuros, mas continua com algumas falas "cartas na manga" que me fizeram rir à beça. Porém, Nora está mais reclamona, indecisa e muito impulsiva e isso foi o que mais me irritou, o fato de ela não querer fazer algo por algum motivo e, momentos depois, usar o mesmo motivo em prol da sua mudança. Além disso, também teve sua falta de atitude em relação aos outros personagens. Outro motivo que decepcionou um pouco foi a ênfase que Crescendo dá na relação de inimizade entre "a patricinha e a anormal".


Os Personagens Secundários: Seus diálogos continuam bem feitos e hilários, mas achei que os novos mereciam mais espaço. Scott, um amigo de infância de Nora, volta a atormentá-la. Com um passado não totalmente revelado, Scott parece que está fugindo de algum erro muito grave que cometeu. E, nesse livro, Rixon, o maior amigo de Patch, aparece um pouco mais, mas ele não me agradou tanto e pareceu um pouco vago para mim. Marcie Millar, a pior inimiga de Nora desde o jardim de infância, reina no quesito aparição - para minha infelicidade. E, por mais que eu goste de variações de personalidade nos livros, não me agrado quando a maioria é maçante.
A maior decepção de todas foi Patch. Ele aparece bem menos e eu senti falta dos seus diálogos engraçados e provocantes que deixam Nora com vontade de cavar um buraco para enfiar a cabeça. Nesse livro, Patch está mais sério e estranho, seu jeito descontraído e confiante praticamente evaporou. Espero que isso mude urgentemente em Silêncio, pois sem ele a série se resume a nephilins e anjos caídos.

Capa, Diagramação e Escrita: O preto e branco usado foi uma desvantagem. Achei que a capa ficou um tanto sem graça. E o efeito da chuva faz com que ela pareça riscada. A diagramação continua muito boa para leitura e acho um charme o efeito de penas caindo nos inícios de capítulos e na última página. Becca continua escrevendo com seu jeito único e animado, mas pecou na construção dos personagens, resultando em uma trama mais pacata, sem aquela animação. Foi como se tivesse cumprido apenas 50% da meta, escrevendo muito bem um livro maior que o primeiro, mas com menos conteúdo. Porém, não desisti da série nem das expectativas que tenho dela. Espero que o próximo livro tenha mais história e quero sentir que a promessa de um bom enredo foi cumprida pelo diferencial de Hush Hush em relação aos outros livros de anjos: os personagens Patch!.

Concluindo: O final compensa e isso foi a minha bandeira branca na guerra para não desistir da série. Acho que a autora desperdiçou o potencial que sua escrita inovadora tinha, criando um "círculo de pensamentos" muito parados para a protagonista e que, consequentemente, afeta suas atitudes, tirando a emoção dos conflitos. Apesar de tudo, foi uma leitura agradável e divertida até certo ponto e, de um jeito ou de outro, me deixou mais que ansiosa para o próximo volume para descobrir se foi apenas uma fase ruim na série. Leia, vale a pena para poder ler os restantes :D

Quotes:

Estar com você nunca em pareceu errado. É a única escolha certa que fiz. Você é minha única escolha correta.

Todo mundo sabe que Patch é encrenca. Ele tem aquela aura de bad-boy que precisa ser salvo, mas o problema é o seguinte: a maioria dos bad-boys não quer ser salva. Eles gostam de ser maus. Adoram o poder de encher de medo e pânico os corações das mães em toda parte.
Classificação: