Resenha - O Livro do Amanhã

Resenha feita pela May!  
Título: O Livro do Amanhã
Título Original: The Book of Tomorrow
Livro Único
Autor: Cecelia Ahern
Editora: Novo Conceito
Páginas: 368
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Submarino // Saraiva // Extra

Uma história mediana, porém com uma narrativa genial. 

Sinopse: Nascida no luxo, Tamara Goodwin, de 16 anos, nunca precisou olhar para o amanhã, até que a morte abrupta de seu pai deixa a ela e a sua mãe uma montanha de dívidas que as obriga a se mudarem para a casa dos tios de Tamara, em um vilarejo no interior. Solitária e entediada, a única diversão de Tamara é uma biblioteca itinerante. E ali ela encontra um livro muito misterioso. Tamara vê inscrições com sua própria letra e datadas para o dia seguinte. Quando tudo acontece exatamente como o livro previa, ela percebe que pode ter encontrado a solução para seus problemas. No entanto, Tamara descobre que é melhor não virar algumas páginas e que, apesar de muito tentar, não pode mudar o destino.

A Trama: Tamara e sua mãe se mudam para a casa de seus tios, em Kilsaney, logo após a morte de seu pai. Com a mãe em um luto profundo, uma tia que tenta controlar todos os seus movimentos e um tio que não é muito fã de conversa, ela acaba tendo que procurar algo com o que se distrair. Diferentemente do que a sinopse passa, sua diversão não é a biblioteca itinerante. A própria garota menciona, diversas vezes, que odeia ler. Ela só entrou na biblioteca porque se interessou pelo bibliotecário. Simples assim. E quando ela se depara com um livro sem nome ou autor, protegido por um cadeado, sua curiosidade típica de adolescente é despertada. 
A história fica mais interessante quando Tamara consegue abrir o misterioso livro e descobre se tratar de um diário. Só que esse diário já está escrito, com sua letra e a data do dia seguinte.
Porém, o livro, que num primeiro momento parece ser o real protagonista da trama, acaba sendo apenas mais um personagem secundário (e nem é um dos mais importantes). O importante nessa história são os segredos que rodeiam a personagem e que, pouco a pouco, ela vai descobrindo. 

A Protagonista: Tamara é a filha única de uma família rica e, em outras palavras, extremamente mal educada e mimada. Não me conquistou. Sua atitude é, muitas vezes, irritante. E, por mais que a personagem amadureça muito, a personalidade permanece a mesma.
Porém, admito, eu simpatizei um pouquinho com a menina no fim.

Os Personagens Secundários: Rosaleen tem um véu de segredos que a cobre, e esse parece ser o motivo de ela tentar controlar tudo e todos, o tempo todo. Não gostei da personagem e a achei um pouco forçada. 
Arthur fala pouco, mas mesmo com poucas palavras deixa clara sua intenção e preocupação com a família. Parece um legítimo caipira, e eu o adorei (haha)!
A mãe de Tamara passa metade da história dormindo e por isso acabamos não conhecendo muito a personagem.
Irmã Ignatus e Weseley foram, sem dúvida alguma, meus personagens favoritos. Só que eles aparecem lá pela metade da trama, então, para não soltar spoilers, paro por aqui.

Capa, Diagramação e Escrita: Achei a capa, em si, muito bonita. O problema foi o azul gritante da lombada e do verso do livro. Achei cansativo aos olhos (ou talvez eu é que ando com a vista cansada, haha). A diagramação é super simples, mas gostei bastante.
Agora, o diferencial está na escrita: o livro é narrado por Tamara, porém, ela narra fatos que já aconteceram. Como ela mesma diz, é a "Tamara do Futuro" contando a história da "Tamara do Passado". E esse foi o detalhe do livro que mais me conquistou. A garota amadureceu demais ao longo dos acontecimentos da história, e esse amadurecimento é visível não só em suas atitudes, mas também no início do livro, quando ela mesma critica seus atos do passado. Não tem como explicar, mas achei essa tática genial! Tinha que ser a Cecelia Diva.

Concluindo: O problema de ler um livro de seu autor favorito é que, inevitavelmente, você tem as expectativas lá em cima! No começo da história, o estilo de escrita da autora ficou um pouco de lado, e isso pesou muito para que eu considerasse o livro mediano.
Não me entendam mal, o livro não é ruim. E eu, inclusive, estou em um dilema enquanto escrevo essa resenha. Ele é bom, eu gostei. Só que para mim, que já li várias obras de Cecelia Ahern e sou fã assumida da autora, foi uma decepção.
Apesar disso, é um livro gostoso e que merece uma chance.

Quotes:

Quando a gente fecha os olhos, pode ficar em quase todos os lugares que deseja estar.

Acho que a maioria das pessoas entra nas livrarias sem a menor ideia do que comprar. De algum modo, os livros ficam ali, quase que por magia, desejosos que as pessoas os escolham. A pessoa certa para o livro certo. Parece que já sabem de qual vida precisam fazer parte, em qual delas podem fazer diferença ou podem ensinar uma lição, pôr um sorriso no rosto no momento preciso. Penso em livros de forma muito diferente agora.


Classificação: