Resenha - Quatro Estações

Resenha feita pela Maay!
Título: Quatro Estações
Título Original: Different Seasons
Livro Único.
Autor: Stephen King 
Editora: Suma de Letras
Páginas: 556
Ano: 2013
Saiba mais: Skoob
Comprar: Extra // Fnac // Submarino // Saraiva

Sinopse: Histórias de Stephen King que se transformaram em sucessos de Hollywood. Publicado originalmente em 1983, o livro faz parte da série de relançamentos de obras esgotadas de Stephen King, reeditadas em novo formato pela Objetiva. Em Quatro Estações, o leitor tem a oportunidade de conhecer uma outra faceta do mestre do suspense, Stephen King. São quatro histórias bem diferentes do universo habitual do autor, mas com a mesma marca de excelente contador de histórias que ele conquistou ao longo de sua carreira. King constrói narrativas baseadas no dia-a-dia de personagens comuns e mostra sua habilidade em criar demônios, mas sob uma nova perspectiva: eles aparecem de modo subliminar, povoando a natureza humana. Em "Primavera eterna - Rita Hayworth e a redenção de Shawshank", o escritor toma a injusta condenação de um homem à prisão perpétua como ponto de partida para falar sobre o desejo de liberdade. A adaptação para as telas do cinema - com atuações de Tim Robbins e Morgan Freeman - fez grande sucesso sob o título Um sonho de liberdade. Já a perda da inocência é retratada por King em "Verão da corrupção - Aluno inteligente", que descreve a estranha relação entre um velho torturador nazista e um rapaz de apenas 13 anos de idade fascinado pelo terror do III Reich. A novela chegou às grandes telas como O aprendiz. Na trama seguinte, "Outono da inocência - O corpo", o autor dá novos contornos ao tema do rito de passagem da juventude para a maturidade, utilizando-se das reações de um grupo de adolescentes confrontados com a morte ao se verem diante de um cadáver. A história se transformou no filme Conta comigo, revelando atores como River Phoenix, Corey Feldman e Kiefer Sutherland. Vida e morte voltam a aparecer na quarta e última novela, "Inverno no clube - O método respiratório", que relata a luta de uma jovem para conceber seu primeiro filho a qualquer custo. Em Quatro Estações, King, o mestre do terror americano, se distancia do sobrenatural e mergulha no dia-a-dia de personagens comuns, comprovando mais uma vez seu talento como um dos melhores ficcionistas da literatura contemporânea.

A Trama: Não vou falar muito sobre as tramas, ou farei uma cópia da sinopse - afinal, ela nos traz  um resumo bastante satisfatório.
O que farei, aqui, é preparar vocês no caso de resolverem mergulhar nessa leitura.
O livro é bom? É. Vale a pena? Vale... Porém. Sempre tem um porém.
Não esperem um livro de contos normal. O próprio autor, no posfácio, diz que publicou essas histórias juntas porque eram "longas demais para serem consideradas contos, mas curtas demais para serem consideradas um romance". Então abram a cabeça, pensem na obra como quatro livros distintos, e aproveitem a leitura.

Personagens: Gostei muito, muito mesmo, dos personagens do primeiro conto do livro. Acho que mostrou um pouco o outro lado das prisões e a redenção de homens que já foram criminosos "pesados". Me surpreendi comigo mesma ao me flagrar cativada por eles.
No segundo conto, os personagens já não tem nada de cativantes. Pelo contrário, são assustadores, principalmente se levarmos em conta o realismo com que são descritos.
Em relação ao terceiro, os personagens, assim como sua história, não me convenceram nem um pouco.
Por fim, no quarto conto faltou espaço para que houvesse uma aproximação do leitor. O que, normalmente, é um problema dos contos curtos mesmo. Mas, ainda assim, mostraram bastante potencial.

Capa, Diagramação e EscritaA capa e a diagramação são bem básicas, e exatamente por isso me conquistaram. Minha única ressalva é com relação ao tamanho da página e da fonte que são, respectivamente, um pouco maiores e menores que o usual (deu pra entender?). É aquele tipo de estrutura que você lê, lê, lê e parece que não avançou muito. Mas... É padrão nos livros do King também, então reclamo apenas por reclamar (haha).
A escrita do autor é densa, como sempre. Não é das mais fáceis, mas compensa pela qualidade. Sobre a narrativa é complicado falar, visto que são quatro histórias completamente distintas.

ConcluindoO primeiro conto foi em disparada meu favorito - na verdade foi a razão de eu solicitar esse livro. A história é super envolvente e, apesar de querer saber mais, ele é absurdamente completo e não falta nada. Quero mais por puro capricho mesmo, assumo.
O segundo já é mais pesado, bem mais. Demorou para engrenar mas, quando pegou ritmo, se tornou perturbador, assustador e impossivel de largar.
O terceiro conto me pareceu muito sem propósito e a leitura foi sofrida - bastante sofrida. Esperei um acontecimento bombástico ao longo das páginas, ou um mero acontecimento significativo, mas...  Ele não veio.
O ultimo é bem mais curto que os outros, mas ainda assim gostei bastante. Apesar de não ter um clímax muito "oooh" e um final aberto demais (que eu preferia que fosse mais explicativo), consegui aproveitar a leitura e ela fluiu muito bem.
Enfim... Recomendo? Sim. Mas não para qualquer um.



Classificação: